Skip to content

Apresentação

CONTEÚDO

A construção do conhecimento disponibilizado nesta apostila de Interação Homem-Computador – IHC é proveniente de diversas fontes, mas a referência mais utilizada e sugerida como bibliografia principal é o livro “Design de Interação: Além da Interação homem computador” de Preece, Rogers e Stuart (2005).

Outros autores utilizados como fonte de pesquisa são Jakob Nielsen, Ben Shneiderman, Claudia Wodtke, Rosenfield e Morville dentre outros citados ao longo do curso. Ao final da disciplina o aluno terá visto diversos conceitos relacionados às interações com produtos tecnológicos e, em especial, à usabilidade e avaliação caracterizadas por testes formais e informais. A construção deste conhecimento passa pela compreensão do funcionamento da mente do usuário que permite, por exemplo, a realização de avaliações heurísticas e percursos cognitivos dos procedimentos de interação. Este conteúdo apoia o aluno nas decisões de construção de interfaces e sistemas de interação mais eficientes para os usuários.

As aulas são apoiadas por atividades de criação, análise e interpretação de sistemas de interação em busca de soluções para problemas que poderão ser identificados de acordo com os conceitos vistos. Referências de boas e más práticas de interação ilustrarão os conceitos estudados.

EMENTA

A Interface é a ponte de comunicação de qualquer sistema; o meio utilizado pelo usuário para obter êxito na realização de tarefas. A troca de informação é compreendida pelo procedimento de interação que pode acontecer em diferentes ambientes ou cenários, utilizando diferentes meios e técnicas.

O objetivo da disciplina TASI é orientar o aluno na compreensão do usuário como parte importante no processo de desenvolvimento de sistemas tendo como foco as condições de uso de interação. A partir disso o aluno poderá direcionar suas soluções de desenvolvimento de processos de interação e interfaces adequadas para uma utilização mais prática do sistema.

Nesta disciplina serão compreendidos os princípios que orientam e definem a usabilidade de sistemas e aplicações diversas com foco na interação entre o homem e o computador, design e arquitetura de informação e na interface e seus elementos. Além disso, serão vistos modelos de testes e como acontece um processo de avaliação levando e conta os conceitos de usabilidade e de experiência do usuário que determinam a facilidade de uso e interação com sistemas, os cenários de aplicação de avaliações, as técnicas de coleta de dados e os detalhes de ordem prática e ética que devem ser definidos em um planejamento de avaliação.

CONTRIBUIÇÃO DA DISCIPLINA PARA OS OBJETIVOS DO CURSO

A disciplina deve capacitar o aluno a conceber, projetar, implementar, validar e avaliar projetos e procedimentos de interface e interação. As informações fornecidas na disciplina apontam as habilidades e dificuldades do ser humano para o entendimento e realização das tarefas e as necessidades envolvidas no processo de desenvolvimento de projetos de interação, interface e design de aplicações e sistemas interativos. Esta disciplina contribuirá para a formação de um profissional de informática que compreenderá melhor  sua responsabilidade na busca de soluções adequadas de interface e interação.

OBJETIVO GERAL

O objetivo geral desta disciplina é oferecer aos alunos uma visão ampla da área de IHC, destacando as principais teorias, fundamentos, conceitos, métodos e técnicas utilizadas para a concepção, desenvolvimento e avaliação de sistemas interativos. A disciplina oferecerá aos alunos condições de encontrar soluções adequadas para as diferentes etapas do projeto de interação considerando a experiência do usuário e o propósito do sistema.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

A apostila foi dividida em 3 partes: IHC na prática, Pessoas e Avalivação.  Cada parte oferece uma quantidade suficiente de conteúdo para que sejam compreendidos os conceitos da área de IHC e suas derivações, quando as pessoas  se transformam em usuários e como ter certeza sobre a qualidade de um projeto interativo por meio de testes e avaliação. Os objetivos específicos desta disciplina estão listados no índice da apostila os quais retratam o conhecimento que o aluno deverá obter ao final do curso.

DESENVOLVIMENTO METODOLÓGICO

O curso é baseado em aulas expositivas feitas pelo professor, apoiada por exercícios sugeridos em sala e laboratório. A avaliação será feita por meio de aplicação de provas e trabalhos que permitirão medir a compreensão e desempenho do aluno quanto ao uso dos conceitos aprendidos. O aluno deverá fazer os exercícios que serão indicados pelo professor, pois assim estará preparado(a) para participar e compreender as aulas expositivas.

O laboratório poderá ser utilizado para que o aluno tenha mais facilidade de desempenhar algumas tarefas de análise e relatórios. Para isso o laboratório deve ter capacidade mínima para atender, durante as aulas, dois (2) alunos por computador. O computador deverá ter robustez suficiente para o professor e para os alunos. O computador do professore deverá possuir acesso à equipamento de projeção.

O ALUNO DEVERÁ QUESTIONAR E CRITICAR TODAS AS IDÉIAS QUE FOREM APRESENTADAS NO CURSO. O aluno não deve ter medo de arriscar qualquer tipo de crítica, pois as discussões e análises de diferentes pontos de vista ajudarão a compreender os diversos aspectos do processo de interação. Afinal, a área de IHC ainda constrói seus caminhos com base em disciplinas como psicologia, ergonomia, antropologia dentre outros.

Para citar este material:
REBELO, Irla B. Interação e avaliação. Apostila. Brasília, DF. Última atualização novembro de 2009. Disponível na URL irlabr.wordpresss.com.

BIBLIOGRAFIA

A bibliografia base da disciplina é o livro Design de Interação: Além da interação homem-computador. Os capítulos 1, 2, 3, 6, 10, 11, 12 e 13 são considerados os mais importantes. Eles fornecem os conceitos mais importantes para entendimento do processo de interação e avaliação que são utilizados nesta apostila. Mas além disso, pensando em tornar o conteúdo ainda mais prático e objetivo, esta apostila conta com a complementação do assunto que trata sobre a arquitetura de informação, além de exemplos diversos ao longo dos capítulos. As informações provindas de outras fontes são referenciadas para auxiliar o aluno em pesquisa posteriores.

O aluno poderá acompanhar a disciplina com pesquisas pelas fontes complementares citadas na apostila favorecendo uma construção mais sólida do seu conhecimento.

Bibliografia básica

Design de interação - Preece, Rogers, Sharp PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de Interação: Além da interação homem-computador. John Wiley e Sons. São Paulo, 2005.Este livro é a base do conteúdo visto durante o semestre e que dá forma a esta apostila. Os capítulos de enfoque (1, 2, 3, 6, 10, 11, 12 e 13) fornecem os conceitos básicos para o entendimento da usabilidade, testes de avaliação e procedimentos de interação utilizados em uma diversidade de aplicativos que possuem interação.

Bibliografia complementar

Rosenfeld, Louis; Morville, Peter. Information Architecture for the World Wide Web. Second Edition. O’Reilly, 2002.Este livro oferece de forma bastante abrangente os conceitos associados à arquitetura de informação, os quais são utilizados nesta apostila. Qualquer texto que fale sobre AI tem por base os conceitos definidos e utilizados no livro do Morville e Rosenfield por tratar-se da influência mais forte na literatura. Aqui a AI é definida e conceituada com base na navegação, estrutura da informação e processos de busca.
NIELSEN, Jacob . Designing Web Usability: The Practice of Simplicity. Peachpit Press, 1a. edição, 1999.Os princípios de usabilidade sugeridos por Nilsen, o dito pai da usabilidade, são reafirmados e colocados em prática dentro do contexto web. Além de exemplos sobre as condições de usabilidade, Nilsen oferece textos explicativos e descrições com detalhes sobre as condições de uso dos sites citados.
Nielsen, Jacob; Tahir, Marie. Homepage Usability: 50 Websites Deconstructed. New Riders Press, 1a. edição, 2001.Este livro é uma versão mais rica em gráficos para exemplificar condições de usabilidade por meio de análises heurísticas feitas em página de entradas de uma série de sites.
Wodtke, Christina. Information Architecture: Blueprints for the web. New Riders. 2003Outra referência forte para a área de arquitetura de informação que aborda os mesmos conceitos de navegação, hierarquias, recuperação da informação (pesquisas) sempre com o foco no usuário. Inclui descrições sobre como realizar entrevistas, card sorting, taxonomias ou classificações, organogramas de navegação, protótipos de papel, inventário de conteúdo, vocabulários controlados, personas e cenários.
KRUG, Steve. Don’t make me think: A Common Sense Approach to Web Usability. New Riders Press; 2 edition (August 18, 2005)Outra referência para a arquitetura de informação que trata, ainda, e de forma muito divertida, as questões usabilidade e avaliação de sites. A leitura é simples, pois o texto foi estruturado em pequenos blocos de conteúdo e, além disso, é apoiada por diversas ilustrações divertidas. Disponível em português pela Market Books (Não me faça pensar). Existe uma amostra do material em inglês no site http://www.sensible.com/chapter.html
NORMAN, Donald A. O design do dia-a-dia. Rocoo. 2007.Livro texto de fácil leitura que descreve as dificuldades de utilização de equipamentos comuns de uso diário utilizando considerações que vão de encontro aos princípios da usabilidade. Como o texto é apoiado em situações do dia a dia e uma diversidade de exemplos, o livro, que apresenta poucas ilustrações, não se torna pesado para ler. Versão em inglês: The Design of Everyday Things, MIT Press, 1990, 1994, 2002.
Shneiderman, Ben. Designing the User Interface. Addison Wesley, 2003.Uma infinidade de conceitos sobre interface, usabilidade e grande foco em avaliação. Este autor oferece algumas estruturas que poderiam ser utilizadas em testes longos de usabilidade para verificar a qualidade de produtos nos mínimos detalhes.
Pinho, Marcio; Rebelo, Irla. Interação em Ambientes Virtuais Imersivos In: KIRNER, Cláudio e TORI, Romero. Realidade Virtual: Conceitos e Tendências. Pré-Simpósio SVR 2004 VII Symposium on Virtual Reality. Editora Mania de Livro. São Paulo, 2004.O livro trás uma série de assuntos sobre o tema Realidade virtual. Mas o capítulo recomendado é o acima mencionado, pois oferece uma visão de como acontece a interação em sistemas de realidade virtual.
CHAK, Andrew. Como criar sites persuasivos. Pearson Education, São Paulo, 2004.Interessados em produtos de e-comerce e seus usuários precisam conferir este livro que descreve condições de persuasão para captar e manter clientes.
Raskin, Jef. The Humane Interface: New Directions for Designing Interactive Systems. Addison-Wesley, 2000.Livro de teor mais acadêmico que oferece uma visão conceitual bastante profunda sobre questões de interface.
DIAS, Cláudia. Usabilidade na WEB: criando portais mais acessíveis. Alta Book, Rio de Janeiro. 2ª edição. 2007.Os tópicos abordados enfocam a condição portais públicos e corporativos. A autora descreve conceitos de usabilidade e avaliação, design universal e acessibilidade, descreve a importância do projeto de portais web mais acessíveis, fala sobre acessibilidade e usabilidade de portais web, método de auditoria da acessibilidade no ambiente web e oferece exemplos de elementos mais acessíveis em portais web.
Mullet, Kevin; Sanno, Darrell. Designing visual interfaces: Communication oriented techniques. Prentice Hall, NJ, US. 1994.Uma obordagem direta sobre como produzir interfaces visuais mais elegantes, simples, bonitas e organizadas. São levados em conta detalhes de contraste e proporção, organização visual, Grades, representação e imagem e estilo. Um enfoque mais detalhado do que aquele encontrado no “Design para quem não é design” de William Robins.
Buxton, William. Sketching User Experience. Getting the design right and the right design. Focal Press, Elsevier. Canada. 2007.O autor fala do comportamento humano frente ao design de produtos, estruturas, sinais, computadores ou qualquer coisa que resulte na experiência de uso envolvendo os aspectos cognitivos.
Saffer, Daniel. Designing for interaction: Creating smart applications and clever devices. New Riders, US. 2007.Assunto voltado para o Design de interação incluindo definições básicas sobre interface e interação, atividades e processos do rascunho do projeto,  realização de brainstorms, projeto de serviços e o futuro do design .

Disponíveis na Biblioteca da Unieuro:

Williams, Robin. Design para quem não é designer: Noções básicas de planejamento visual. Peachpit press. Berkley, CA. 1995.Um livro básico que oferece um conjunto de princípios visuais para a organização da informação gráfica e dicas par a utilização adequada de fontes.
GAMBA, Junior. Computação gráfica para designers: dialogando com as caixinhas de dialogo. AB, Rio de Janeiro, 2003.BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70, 2004.GILL, Martha. Color harmony : for interior design. Rockport, Gloucester, 2001.

SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. Pioneira Tthomson Learning. São Paulo, 2004.

MUNARI, Bru. Design e comunicação visual: Contribuição para uma metodologia didática. Martins Fontes. São Paulo, 2001.

WEBSITES ÚTEIS:

SERG – Semiotic Engineering Research Group http://www.serg.inf.puc-rio.br/ Grupo de pesquisa sediado na PUC-Rio.

CEIHC/BR-CHI http://www.sbc.org.br/ihc Informações sobre IHC no Brasil

SIGCHI http://www.sigchi.org/ Grupo de Interesse da ACM.

Human-Computer Interaction Bibliography http://www.hcibib.org/

Nielsen-Norman Group http://www.nngroup.com/ Portal do Jakob Nielsen e Donald Norman

Interactions http://interactions.acm.org/ Revista sobre interação entre homem e computador

Interaction-design.org. http://www.interaction-design.org/ Site de informações.

Webinsider http://webinsider.uol.com.br/ Revista com matérias desenvolvidas por diversos especialistas da área de IHC – Publicação da Z Editores Ltda

Jesse James Garrett http://blog.jjg.net/ Peter Morville http://www.semanticstudios.com/

USEIT http://www.useit.com/

Usabilidoido de Fred Amstel http://www.usabilidoido.com.br/ Blog com matérias diversificadas na área IHC por Frederick van Amstel

DigitalDrops Design http://www.digitaldrops.com.br/drops/design/

Freedback http://www.digitaldrops.com.br/drops/design/

Guilhermo Reis http://guilhermoreis.com.br/ Blog pessoal com muito conteúdo de usabilidade, arquitetura de informação, dentre outros.

Nahipermidia de Luciano Lobato http://www.nahipermidia.com/blog/

Nandico http://www.nandico.com.br/

Joel on Software (em português) http://brazil.joelonsoftware.com/uibook/chapters/1. html Livro com dicas interessantes. Disponível na Web.

Software Design Alan Cooper’s Digital Product Design http://www.cooper.com/ Site do autor do livro “About Face”.

Human-Computer Interfaces http://www.usernomics.com/user-interface-design.html Aponta para diversos outros sites interessantes sobre Interfaces de Usuário. Elaborado pelo grupo Usernomics.

Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: